sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Senna


Seria natural que a vida de Ayrton Senna virasse filme após a sua trágica morte, em Ímola, na Itália, em 1994. Só não se sabia, porém, como seria esse longa-metragem. A princípio, o ator espanhol Antonio Banderas teria sido escolhido para viver o herói brasileiro das pistas. Mas Viviane Senna, irmã de Ayrton, nunca encontrou um contrato dos estúdios hollywoodianos que lhe satisfizesse. Em 2006, porém, produtores ingleses a procuraram com uma nova proposta: transformar as imagens reais, captadas das pistas, dos bastidores e da vida íntima de Senna (os passeios de lancha e jet-ski pelos mares de Angra dos Reis, durante o Carnaval, e com as namoradas Xuxa e Adriane Galisteu), em um filme. Contar uma história a partir de imagens, ou seja: cinema puro!

A ideia, portanto, seria fazer um documentário. Mas mais do que isso, uma “colcha de retalhos” que, costurada, daria origem ao produto final, com começo, meio e fim. Foi aí que entrou o roteirista (e fanático por Senna) Manish Pandey, que resolveu contar uma história linear sobre a vida de Ayrton, iniciando a partir do momento em que ele começou a correr na Fórmula 1, em 1984, no Grande Prêmio de Mônaco.

Ao contrário dos documentários tradicionais, "Senna" não utiliza depoimentos, mas narrações em off de pessoas que tiveram envolvimento diretamente na vida de Ayrton Senna. Uma pessoa muito importante, e que contribuiu bastante com a história, foi o comentarista esportivo Reginaldo Leme.

Em entrevista coletiva realizada em São Paulo, Viviane Senna disse que fazer um filme de ficção sobre a vida de Senna não seria tão impactante. “As cenas reais são mais impactantes. Caso fosse interpretada por atores, a cena do Balestre, por exemplo, não seria tão forte”, comenta, citando uma das cenas nas quais há uma grande discussão, no Grande Prêmio do Japão, quando houve um problema do lado da pista em que o pole position largaria.

Embora seja tratado como documentário pelo fato de utilizar imagens reais, o longa poderia ser de ficção, uma vez que a construção é típica desse tipo de filme: a luta do bem contra o mal (Senna versus Prost), catarse, ascensão e queda do herói. Antonio Pinto (de “Cidade de Deus”), brasileiro responsável pela bela trilha sonora da fita, aumenta o coro. “O cara é um herói, precisa se superar, há os vilões... Vamos combinar que o Alain Prost parece o Darth Vader”, brinca, fazendo alusão ao malvado personagem de “Star Wars”.

“Temos a ascensão de Senna, o sucesso e os desafios que encara quando chega ao topo. Temos o ‘vilão das comédias’, Balestre, e o rival com quatro títulos mundiais, Prost. Há também o lado pessoal do piloto, sua família, namoradas, a relação que tinha com o Brasil, e tensão, drama, tragédia. É o que filmes devem ser, e é tudo real", completa o diretor Asif Kapadia.

Como as imagens são reais, o longa é falado em inglês e o sotaque de Senna é bastante forte. Uma passagem interessante e que mostra sua paixão pelo automobilismo é quando ele compara a corrida com as drogas: “você precisa daquilo, é algo muito intenso”.

Quem conheceu a trajetória de Ayrton Senna vai se emocionar com as imagens e a importância que ele teve no automobilismo de maneira geral, principalmente por sua superação a cada corrida. Na primeira, em Mônaco, ele competiu com grandes estrelas, como Keke Rosberg, Nigel Mansell, o bicampeão mundial austríaco Niki Lauda, Nelson Piquet e o homem chamado de “O Professor”, o francês Alain Prost, de quem se tornou companheiro de equipe, na McLaren, e com quem passou maus bocados.

Nessa mesma corrida ele largou na 13ª posição pela equipe Toleman e alcançou Prost na 32ª volta, embora não tenha ganhado a prova. Daí pra frente, ele começou a mostrar a que veio e o que se podia esperar de um piloto audacioso e corajoso como sempre foi.

Foi durante a temporada de 1990, no Japão, que, por conta da matemática do campeonato, Senna e Prost lutavam pela vitória. A partir de então os personagens de Senna e Prost são revelados.

Em 1991, ele venceu pela primeira vez em Interlagos e é emocionante vê-lo carregando a bandeira brasileira, a “música da vitória” e como foi duro chegar em primeiro lugar, sendo que nas última três voltas estava apenas com a sexta marcha.

Além de mostrar como era um “gênio” nas pistas, o longa reforça o lado espiritual e marcante de Senna. Algumas passagens mostram que ele rezava e, inclusive, admite ter visto Deus. No dia de sua morte, outro depoimento sublinha a ideia de que ele havia aberto a Bíblia antes da corrida e teria recebido uma mensagem divina.

No longa é possível conferir como eram os carros antes e depois, quando as equipes começaram a se valer de tecnologia de ponta para montar os seus carros e que, quando Senna começou, vencer uma corrida dependia muito mais da habilidade do piloto que propriamente de uma equipe competente e de um carro sensacional. Em uma passagem, ele diz que é muito complicado quando se entra na “war technologie”, ou seja, na guerra da tecnologia, pois é preciso ter um carro competitivo se quiser enfrentar.

E, quando chegou ao topo, a tecnologia nos carros mudou e os títulos de 1992 e 1993 foram para os carros da Williams-Renault, pilotados por Mansell e Prost. Em 1994, no entanto, com Prost e Mansell não mais correndo a F1, Senna assegurou um posto na Williams.

Ainda que o final desta história já seja conhecida, é inacreditável e inaceitável saber que, no fim de semana em que morreu, durante o treino classificatório, Rubens Barrichello bateu e se feriu. Um dia depois, o piloto austríaco Roland Ratzenberger morreu após bater no muro a 320km/h. O médico e seu amigo, Sid Watkins, o aconselhou a não correr no domingo e até Frank Williams tinha dúvidas se ele largaria naquela manhã. Mas Senna cumpriu seu trabalho com responsabilidade, ainda que curva Tamburello estivesse no meio do seu caminho.

De acordo com Viviane Senna, o lançamento do filme é uma oportunidade de as pessoas que não conheceram o Ayrton poderem rememorar as coisas gostosas que ele viveu. “Assim como sua persistência. Para quem não o conheceu, pode ter acesso que não tiveram na época.”

“Senna” é um filme produzido para emocionar. Portanto, não queira sair intacto da sala de projeção após se render as imagens do diretor Asif Kapadia. Trata-se de um longa-metragem sensível, com imagens reais e, sobretudo, “chapa branca”, ou seja, mostram o herói Ayrton Senna, aquele que fazia milhares de brasileiros se levantarem nas manhãs de domingo prontos para ver mais uma vitória. Há, imagens, inclusive, que dão conta de mostrar a pobreza do país e que, após a sua morte, os brasileiros se sentiram órfãos e tristes por achar que não mais valeria a pena viver, uma vez que a alegria havia ido embora. Em Interlagos, imagens da pobreza, mas ao mesmo tempo a torcida gritando o seu nome, e a superação de vencer com apenas a sexta marcha. 

Um senão: imagens de Xuxa e Adriane Galisteu. Para o diretor, a ideia de incluí-las era para mostrar mulheres no filme e que os “relacionamentos fazem parte da história dele”. Embora tenha feito graça por conta do vestido que Xuxa usa e tenha se lembrado que já havia visto imagens impróprias da apresentadora, o diretor não respondeu se chegou a acompanhar os romances à época, uma vez que, pelo noticiário, Adriane não parecia ser bem-vinda à família Senna.

----
Nota de esclarecimento enviada pela Paramount, em 12 de novembro:

"Devido a certa confusão e perguntas levantadas por alguns jornalistas após a pré-estreia de "Senna", a Interlagos Filmes Limited, subsidiária da Working Title Films, deseja esclarecer uma cena do filme na qual Senna está acompanhado de várias pessoas e também de uma mulher não identificada. Essa mulher é Adriane Yamin, que foi namorada de Senna no período de 1984 a 1988 e de quem ficou noiva. Na cena, eles estão no barco da família de Yamin, em Angra dos Reis, com familiares do Senna, incluindo a mãe dele, após Senna ter vencido o campeonato mundial em 1988.

"O esclarecimento se faz necessário visto que a Interlagos Films Limited falhou em inserir a legenda na imagem, o que tornaria o contexto da cena mais claro para o público, já que a sra. Adriane Yamin não é uma figura pública e ela sempre se preocupou em não expor sua vida pessoal.
 
"Não há mais tempo para adicionar essa legenda no Brasil, visto que o filme está sendo lançado hoje no Brasil e já foi lançado no Japão, logo já está nas salas de cinema nesses países, mas a legenda em questão será inserida em todas as cópias futuras do filme em todos os outros países quando do lançamento cinematográfico, bem como no DVD e nas versões do filme para TV, em todo o mundo."

---
Assine aqui para receber as novidades por email. 

4 comentários:

Rosa Lopes disse...

Mas será que ele tinha alguma coisa a acrescentar além do fascínio pela velocidade?
Taí um desafio!
Bj

Rafael Sette Câmara disse...

O Senna foi meu ídolo de infância e chorei dias quando ele morreu. Ainda não vi o filme, mas vou fazer isso em breve. Legal o post!

Tatianna Babadobulos disse...

Não é só você. Ele se tornou ídolo de muita gente, inclusive o filme serve para que, quem não o conheceu, possa ter ideia do que eram as suas corridas. No dia em que ele foi velado, fui no lugar por onde ele passou no carro dos Bombeiros, em frente à Assembleia Legislativa, em São Paulo. Uma loucura!

Dil Soares disse...

Me lembro com tristeza daquela manhã de 1 maio de 1994, quando em frente a tv me debulhei em lágrimas depois de ter assitido a batida. Senna foi meu ídolo,todos os domingos assistia a corrida de formula 1, após a sua morte não vejo mais graça neste esporte!
Tenho fotos do cortejo funebre descendo a Avenida Rebouças rumo ao Cemitério do Morumbi,seu caixão coberto com a Bandeira Brasileira e uma multidão de fãs chorando e correndo atrás, num gesto simples e emocionante de prestarem suas últimas homenagens a um homem humilde embora Campeão e que soube como poucos valorizar sua Pátria com suas vitórias e tinha um imenso orgulho de ser brasileiro.

"Se você quer ser bem sucedido, precisa ter dedicação total, buscar seu último limite e dar o melhor de si mesmo"
Ayrton Senna